Alcoolismo Infantil

O problema do alcoolismo é um grande tabu, mas quando se trata de crianças e adolescentes, a situação é mais complicada e delicada ainda. O assunto é um problema social e deve ser debatido por todos os membros de uma sociedade.
Embora seja notável e comprovado que os casos de alcoolismo infantil e juvenil ocorrem, em sua grande maioria, através da influência de amigos, é necessário um alerta para o ambiente familiar que também pode ser o vilão e fazer com que crianças se interessem pela droga.
Uma pesquisa realizada em todo o Estado de São Paulo mostrou que metade dos estudantes entre 10 e 12 anos já fez uso de bebidas alcoólicas e, na grande maioria, com apoio ou exemplo dos pais.
 A família precisa ficar atenta como a bebida é apresentada aos filhos, muitos pais oferecem bebida (dedo na espuma da cerveja) aos filhos que acham isso algo normal e interessante, pois todos apóiam.
É muito importante que a escola fique atenta aos alunos que consomem álcool, pois afeta o raciocínio de aprendizagem, danifica o desenvolvimento da criança, a coordenação motora e o funcionamento do fígado, e deve ser detectado o mais rápido possível, para que esse problema seja solucionado. 
Mas é preciso que os pais tomem iniciativa e atitude para combaterem esse mal, pois não é só o papel da escola combater esse vicio que tem prejudicado as crianças e os adolescentes.
O corpo de uma criança muitas vezes ainda não está 100% formado e com a defesa necessária e, por isso, a ingestão excessiva pode afetar quase todos os órgãos causando doenças preocupantes como gastrites, úlceras, pressão alta, infarto do miocárdio e até epilepsia e cirrose.
O alcoolismo infantil dá sinais muitas vezes mais claros do que nos adultos. Com um organismo mais frágil em relação às substâncias os sintomas são facilmente diagnosticados como mudanças bruscas de humor, isolamento, tonturas, andar cambaleante, vermelhidão, enjôos, tremores, sonolência, agressividade e mau desempenho escolar.

Postagens mais visitadas