Corrupção na Administração Pública

Sempre motivo de grande preocupação a corrupção está presente em todas as nações da terra. É claro que ainda existem países onde o tema é deixado mais de lado pelo fato de ainda estar sendo vigorado o sistema de autoritarismo onde a corrupção está no próprio sistema quando usurpa dos seus cidadãos o direito da livre escolha dos seus governantes ou impõe isso através da camuflagem no sistema judiciário. A corrupção na gestão pública está intimamente relacionada ao conceito de Estado, ou seja, o Estado legítimo constituído através de território, população e legislação própria visando o bem comum. Através das leis, o Estado – aqui inserido todas as suas variantes-garante ou torna legítima a cobrança de tributos, ou seja, o Estado enquanto ente maior visando o bem-estar da coletividade retira da maioria dos seus cidadãos uma parte dos seus recursos através dos tributos para garantir a tranqüilidade e a ordem da população. Nesse contexto o ser humano como agente de tudo é a peça fundamental que pode fazer com que o estado atue de forma a proporcionar o bem comum ao máximo ou no caminho inverso quando se apropria dos recursos que eram pra serem investidos na coletividade e o toma pra si. Certamente a corrupção é a principal forma de realizar atos indevidos com todas as formas de recursos públicos, vale destacar que a corrupção também esta presente no setor privado, mas a forma de corrupção que causa maior prejuízo para a coletividade é a pública uma vez que esses recursos são retirados do povo em forma de tributos para que o povo retorne em forma de melhorias, assim os corruptos surrupiam recursos que serviriam para investir em diversas áreas de atuação do Estado como: saúde, educação, infra-estrutura, esporte. Segundo a organização não – governamental Transparency International o Brasil está na 72ª colocação no ranking da corrupção em 2007, sendo que este índice vai de zero para os países mais corruptos até dez para os menos corruptos. Para o governo brasileiro o combate à corrupção deve ser considerado como de natureza estratégica uma vez que além de desviar recursos públicos ainda encarece os investimentos tornando o país menos competitivo devido principalmente o risco ser mais elevado. Todavia, gostaria de dar destaque a questão da qualidade dos instrumentos de regulação e de controle. Em nosso país existe um emaranhado de organismos voltados ao controle dos gastos públicos incluindo os Tribunais de Contas da União, dos Estados, dos Municípios de São Paulo e Rio de Janeiro, da Controladoria Geral da União, das Auditorias internas em todas as instâncias públicas e níveis de governo, do Ministério Público Federal e Estadual, das várias instâncias policial federal e estadual e do sistema judiciário. Apesar de tantos órgãos de controle, cujo custo é elevado para o bolso do contribuinte, a ineficiência e a corrupção continuam presentes e vorazes em nosso país. Fonte: http://www.webartigos.com/articles/20866/1/Gestao-Publica-e-Corrupcao.

Postagens mais visitadas